Ariel “old punk rocker” fala sobre sua vida e a cena underground

Não tem como falar de movimento punk no Brasil sem citar o nome do Ariel. Figura recorrente dentro da cena underground paulistana, Ariel nasceu na Freguesia do Ó, cresceu de forma simples e logo cedo teve contato com a música.
Em vez de ficar aqui tecendo teorias, o Informativo Revoluta abre o espaço e deixa o Ariel contar como tudo começou, num bate-papo que virou um grande perfil de quem é esse cara que vestiu a camisa do movimento underground nos idos anos 70 e até hoje está aí, resistindo e fazendo o punk rock acontecer, em qualquer bar, qualquer esquina.

Por Deise Santos

Ariel onde você nasceu e cresceu? Qual a sua origem?
Nasci em São Paulo – Capital – Freguesia do Ó – ano de 1960 – Meu pai foi Peão (Mecânico) e minha mãe, solidão (Dona de Casa), como diria o poeta. Estudei até o 2º Grau no E.E.T.A.L., no Bairro do Limão, de onde fui expulso, por ser um delinqüente juvenil, terminando no Colégio Righini no mesmo bairro. Minha infância foi como de qualquer moleque da periferia da Zona Norte, ou seja, rebelde e malcriada. Roubava frutas das casas vizinhas, caçava passarinhos, andava de carrinho de rolimã, empinava pipas, soltava balão, jogava muita bola, rodava pião, brigava com os moleques da rua de baixo, etc. Até conhecer a filosofia de Nietzsche, o existencialismo de Sartre, o teatro da crueldade de Artaud, a poesia futurista de Mayakovsky, a literatura revolucionária de Gorky, o Surrealismo, o Dadaísmo e todos os que iam na contramão da história que nos era contada. Minha adolescência foi nos anos 60 e 70 e eram tempos difíceis para quem era jovem e rebelde, pois a ditadura instalada no país mostrava suas garras e prendia, torturava e até mesmo matava seus detratores. Comecei na música muito cedo, por volta de 1970 e com o que podia escutar de Rock’n’Roll, tive minhas influências nas bandas malditas, como: The Stooges, MC5, New York Dolls, Dust, Cactus, Pink Fairies, etc. Já no meio dos 70, com o Punk Rock ditando as regras, passei a fazer parte dessa nova onda e no final de 78 já fazia parte da primeira banda desse estilo no Brasil, a Restos de Nada.
Nunca me considerei importante nesse movimento, acredito ser apenas mais um produtor interessado nessa cultura que me apaixona e me move cada dia mais e que começou pela minha alma rebelde e contestadora, assim como é o Movimento Punk, desde o seu início.

O punk rock pra você não é só uma balada, é um estilo de vida, assim como é para muitas pessoas. Em que momento da sua vida você notou que não tinha mais volta, que estava totalmente envolvido com a cena?
Realmente o Punk Rock para mim é muito mais que uma balada e chegaria a dizer que não é um estilo de vida e sim, minha própria existência. Notei que não tinha mais volta quando tive contato com o primeiro disco dos Ramones. O visual da capa me inspirou muito e depois de ouvir o som pela primeira vez, notei que era isso o que queria ser e fazer. A partir daí comecei a me aprofundar nessa história e procurar outras coisas compatíveis com esse novo estilo e a partir disso não parei mais…

Junto com outras pessoas você ajudou a construir a cena underground paulistana, ousando e quebrando barreiras. Conte como foi organizar o “Começo do Fim do Mundo” e o “A um passo do fim do mundo”.
“Ousar e quebrar barreiras”, foi isso exatamente o que aconteceu no sopro inicial do movimento e com pessoas que estavam dispostas a encarar as diversas dificuldades impostas, começando pela família, que pela carga de preconceito e desinformação, não entendia as verdadeiras necessidades de uma juventude sedenta de Informação e Liberdade a qualquer custo.
Bem, O Começo do Fim do mundo foi organizado pelo Antonio Bivar, autor do livro “O que é Punk”, pelo Callegari (Inocentes) e pela Meire, que era sua namorada na época. Eu fazia parte da Inocentes, que era “A” banda do Movimento e por conseqüência acabamos nos envolvendo com esse projeto também, mas os méritos são dos caras. A dificuldade principal desse festival foi unir as diversas facções que compunham o Movimento de 1982, principalmente a rivalidade entre as gangues de São Paulo e ABC paulista. Mas acho que no fim, aconteceu o que tinha que acontecer e a visibilidade para o mundo foi o ponto mais positivo.
A Um Passo do Fim do Mundo de 2001 e O Fim do Mundo de 2002, foram organizados por mim, pelo Bivar, pela Tina e pelo Cuga, e contamos com muitas dificuldades, pois eles foram inseridos na Semana Jovem da Prefeitura de São Paulo e sujeito a várias sanções e dificuldades, mas no fim acabamos fazendo na raça mesmo e a participação das bandas e das pessoas envolvidas foi fundamental. Em 2001 foram 54 bandas a se apresentar, sendo todas de São Paulo e em 2002 subiu para 64, sendo aberto para outros estados, como Pernambuco, Curitiba, Rio de Janeiro, Minas e Interior de São Paulo.
Nunca recebemos 1 centavo por tudo isso, apenas a satisfação de realizá-los.

Você sempre foi muito ativo dentro do movimento punk seja participando de bandas, organizando shows ou em grupos anarquistas. Fale um pouco dessas experiências e o que cada uma delas contribuiu para a sua vida:
Sim, reconheço que sempre fui muito ativo, desde os anos de chumbo, onde as gangues espalhavam o terror pela cidade e eu era parte integrante dessas funções, mas não era só isso, já desde muito cedo, quando tinha meus 17 anos, colecionava discos e fazia sons pelos bairros, onde o pessoal ia para dançar, namorar e tudo mais. Quando me vi envolvido com bandas, apesar de não tocar porra nenhuma, já pensava em locais onde pudéssemos nos apresentar e criar condições onde não existia nada e fizemos muita coisa em cima de caminhões, em praças públicas (puxando “gatos” dos postes), em sociedades amigos de bairros, etc.. Nessa época já estava envolvido também com grupos revolucionários, como os Trotskistas: “OSI – Organização Socialista Internacionalista” e “Convergência Socialista”. Mais tarde passei a desconsiderar esse lado Comunista e passei a adotar o Anarquismo como forma de organização política e criei o grupo “Ação e Anarquia” que esteve muito ativo por anos, numa luta contra o sistema e contra os neo-nazistas. Bem, tudo isso serviu para eu me tornar uma pessoa melhor, no sentido de não aceitar as injustiças desse mundão e a não esperar nada de ninguém, levando a máxima “Faça Você Mesmo” ao pé da letra.

Você percorreu os 30 anos de punk rock, vivendo a realidade de repressão policial, ensaios em garagens, shows em cima de engradados de cerveja e briga entre gangues. Qual é a visão do Ariel “old punk rocker” sobre a cena no decorrer desses anos? Pontue, na sua opinião, os
momentos históricos nesses 30 anos de anti-cultura:
A cena do começo era o Caos, onde uma situação Hippie ainda prevalecia e insistia em continuar, apesar de decadente e culturalmente ultrapassada. Como tudo no começo choca e cria confusão nas cabeças das pessoas, o Punk surgia como um furacão onde tudo que representasse o passado, o antigo, o conformado, deveria ser varrido do mapa e a partir daí os ideais de Paz e Amor foram substituídos por Atos de Violência e Guerra de Gangues, sem falar do som que era rápido, brutal e despudorado ao ponto de provocar conflitos. Mas por outro lado, toda essa energia destruidora, num segundo momento, passa a ser criadora e profundamente excitante e surgem então as bandas de Punk Rock que darão sentido à coisa e daí em diante, toda uma produção de eventos, fanzines, contatos com outros países, manifestações de rua, visual arrojado e muita ideologia se formando, tornam o Punk Rock um Movimento forte e culturalmente diversificado. Surge então o Hardcore que dá um novo gás ao som e ao estilo que passa a ser mais radical. Os cabelos moicanos, as roupas com rebites e os coturnos passam a fazer parte da indumentária das gangues urbanas e isso acontece de forma livre dos dogmas do início e o Anarquismo passa a fazer parte da ideologia Punk. Bem, isso dura até hoje e o que sinto é que, apesar de toda degeneração ou diluição de estilos, e isso é mais um espelho de nossa sociedade, o Punk busca uma nova identidade dentro dessa confusão toda, procurando se afirmar como um instrumento de mudanças que já dura mais de 30 anos e que bem ou mal, continua radicalizando em sua essência rebelde.

A essência do punk se perdeu no decorrer dos anos?
A Essência nunca se perde, são as pessoas que se perdem…

Além de estar com a banda Invasores de Cérebros na ativa, o que mais você anda fazendo?
Bem, além da Invasores, tenho feito algumas apresentações com minha antiga banda, a Restos de Nada e esporadicamente com a Inocentes, da qual fiz parte no começo dos 80, organizando alguns eventos e discotecando em casas noturnas, escrevendo para sites e revistas, palestras em faculdades e casas de cultura e fazendo trilha sonora para uns vídeos de uma produtora de Alt-Porn, chamada Xplastic.

Se você tivesse a possibilidade de ficar na direção de uma emissora de televisão durante um dia inteiro, o que você faria?
Se tivesse essa oportunidade, mudaria completamente a programação dessa emissora, dando destaque para programas que incentivassem as pessoas a explodirem as grandes antenas das grandes corporações da comunicação e a criar alternativas para uma futura rede libertária de informação e entretenimento.

Como você vê a ferramenta “internet” para uso de bandas e demais agentes envolvidos na cultura underground?
A Internet é do caralho e possibilita muita coisa, inclusive troca de informações, conhecimento, divulgação e tudo o que você pensar em termos de música e vídeo. Nunca nenhuma gravadora poderia imaginar que as músicas de seus cast pudessem ser trocadas livremente pela rede. Ora, as bandas realmente independentes, nunca precisaram de gravadoras mesmo e se agora o que importa é mais do que nunca ser ouvido, visto e divulgado, estamos com uma vantagem enorme, né?

Ariel, muito grata pela entrevista e deixo agora esse espaço pra você falar o que faltou ser perguntado nesse bate-papo e pra você deixar um recado pros leitores do Revoluta
As mensagens continuam sendo: Destruam o Sistema! Uma nova sociedade é necessária, baseada no respeito, na tolerância, no cooperativismo. A Autogestão é possível! Parem de pagar impostos! Façamos a Revolução! Por uma vida melhor!!!

Anúncios

Tags: , , , ,

2 Respostas to “Ariel “old punk rocker” fala sobre sua vida e a cena underground”

  1. jessica Says:

    eu amo restos de nada ariel é muito fodão minha familia é punk o nome de meu filho é ariel

  2. Fabiana Couto Says:

    qual a data do ‘começo do fim do mundo’? Qtas edições teve? Ele ainda é realizado?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: