Archive for the ‘Selos e Distros’ Category

DxFxCx sairá em dois splits

outubro 22, 2008

A banda brasiliense D.F.C. está em estúdio gravando alguns sons para dois splits 7” que sairão na gringa.
Na República Tcheca, sairá pelo selo Phobia Records com a banda Stolen Lives e, no Japão, o selo Too Circle Records lançará os brasilienses com a banda N.E.K. (Niños en Kombate).
O material está sendo gravado no Homie Studio, do ilustre personagem do underground calango Djalma Phu (Macakongs 2099).
O material da República Tcheca deverá sair ainda este ano, enquanto na terra do sol nascente o material só sairá do forno no próximo ano.
Confira a seção de fotos (feita via MSN) do Túlio gravando os vocais.

Destrukcija Stvarnosti/ S.M.H. – War, pain and madness…

outubro 21, 2008

Destrukcija Stvarnosti/ S.M.H. – War, pain and madness…
(Pemba Records/ Two Beers or not To Beers/ Armadillo Records – 2008 – Split/CD)

Croácia e Zona Oeste carioca, unidas na paixão pelo barulho. São 28 faixas neste split, dividido em 20 sons dos croatas e 8 dos cariocas. A qualidade sonora do álbum é ótima. Power violence talvez seja a forma mais acertada para definir o que você encontrará ouvindo esse álbum. O trio Destrukcija Stvarnosti surpreende pela precisão e pelo peso impresso em suas canções e a bateria é um capitulo à parte. O pessoal do S.M.H. (Seu Mundo Hoje) chega com o som “Escravos da Moda” mostrando o quanto a banda vem crescendo musicalmente e colocando em prática o que se propõem a fazer: hardcore rápido e direto, são 8 músicas tocadas em poucos mais de 6 minutos. A capa e a contracapa estão muito boas, mas eles pecaram no encarte, a escolha das imagens de fundo e das cores das fontes dificultam a leitura das informações sobre as duas bandas, além de não conter as letras das músicas.

Contatos:
www.myspace.com/dscore
www.myspace.com/seumundohoje

Deise Santos

SUBCUT – Contra fatos não há argumentos

outubro 21, 2008

SUBCUT – Contra fatos não há argumentos
(Cut Throat Discos/ Terrötten Records – 2008 – CD)

Full-length debut do power trio SUBCUT. Um dos álbuns mais esperados na cena grindcore brasileira e que fez jus a toda demora que envolveu essa produção. Como o álbum foi gravado em meio a mudanças na formação da banda, o representante das 4 cordas – André Souza – gravou a maioria das guitarras e baixos, exceto em 7 faixas gravadas pelo antigo baixista, Augusto Rena. Porradaria sonora para o deleite dos amantes do grindcore, espalhada em 20 faixas que passam ligeiras, agressivas e pesadas. As letras criticam o sistema e abordam as crises sociais tão latentes no cenário brasileiro atualmente. Inserções de vozes que comentam e criticam a atual situação brasileira, junto com os vocais agressivos e toda a atmosfera criada pelas composições, fazem desse álbum um título indispensável na estante de quem curte o estilo. Destaque para as músicas “O espantalho agora ri”, “Últimos minutos de consciência” e “Nenhuma dor é maior do que relembrar os dias felizes na miséria”.

Contatos:
www.myspace.com/subcut
subcutgrindcore@hotmail.com

Deise Santos

Sanctuarium sai em vinil na Europa

outubro 15, 2008

Em quase dez anos de estrada a banda Confronto vem derrubando barreiras e não pára de colecionar boas histórias para contar e para servir de exemplo pra quem quer entrar na cena musical independente. Afinal, a banda lançou seus álbuns por selos independentes, está embarcando para a quarta turnê européia, já excursionou por alguns países da América do Sul e não tira o pé da estrada, fazendo shows nas principais capitais brasileiras.
E agora a banda acaba de avançar mais em sua trajetória. O álbum Sanctuarium, lançado no Brasil pelo selo Seven Eight Life Recordings em CD, sairá pelos selos Refoundation (Itália) e Self x True (Rússia) em vinil. Um fato inédito na história da banda, que há muito tempo trabalhava para ver um álbum seu lançado no bom e velho acetato. A Confronto trará na bagagem uma parte dessa prensagem para distribuição aqui no Brasil.
Vale lembrar que as cópias são limitadíssimas!!!!

Por Deise Santos

Força Macabra – Aqui é o Inferno

outubro 1, 2008

Força Macabra – Aqui é o Inferno
(Agipunk – 2008 – CD)

Uma banda de thrashcore da Finlândia com letras em português? Sim. Pra muitos não é mais novidade, mas não custa lembrar aqui que esse quarteto da longínqua Finlândia foi influenciado por uma certa banda carioca, chamada Dorsal Atlântica e mais algumas tantas da terra brasilis. O novo álbum, assim como os outros, vem recheado de tais influências e soa como uma entrada no túnel do tempo. É como se tirássemos algum vinil empoeirado do armário e resolvesse ouvir. Mas isso não quer dizer que as 13 músicas que compõe este álbum, gravado pela Sonic Pump Studios, de Helsinki, não tenha lá sua originalidade. O fato de levarem as músicas em português, cada vez mais afiado e compreensível, já vale a bolachinha. Destaque para as faixas “Esfera Metal” e “Filhos da Tormenta” e, também, para a arte do álbum, feita pelo artista japonês Sugi.

Contatos:
www.agipunk.com

Por Deise Santos

DFC e Presto? – Inferno na Terra

outubro 1, 2008

DFC e Presto? – Inferno na Terra
(Pecúlio Discos – 2008 – Split/CD)

Como ter um split com 30 músicas e quase 34 minutos para a execução de tais artes sonoras? Simples. Junte os brasilienses do DFC com os paulistanos do Presto? e pronto, aí está o split. Reto, direto, ácido, sarcástico e extremamente brutal. Cuidado, a última música pode chegar enquanto você tenta acabar de abrir o encarte. É tudo rápido e urgente, como se o chão estivesse queimando os pés dos integrantes neste Inferno na Terra transformado em bolachinha. Dispensável dizer que encontramos todas aquelas influências dos anos 80, com guitarras arrastadas, não não são devagar, são arrastadas pelo peso que produzem, acompanhadas de baterias que explodem e apressam a banda até a próxima canção. Não há tempo para conversa. É o Inferno na Terra, produzido por duas bandas que fazem barulho no underground nacional e que, merecida e acertadamente lançaram esse split juntas. Indispensável!
Contatos:

www.myspace.com/dfc
www.myspace.com/paunasualontra

Por Deise Santos

B.U.S.H. – New American Century

outubro 1, 2008

B.U.S.H. – New American Century
(Pecúlio Discos/ 625 Trash – 2008 – CD)

22 minutos, 52 segundos e 52 centésimos. Esse é o tempo que você terá para assimilar o punk rock hardcorizado and roll (esse termo existe?) feito pelo quarteto. Mistura de influências que vêm dos 70’s e muito do que veio da Califórnia nos 80’s, com recheio de guitarras rockeiras, que às vezes são acompanhadas pela cozinha. No decorrer da audição você pode jurar que a banda é de punk rock pura e unicamente, mas de repente riffs te levam para o rock and roll e algumas quebradas na bateria te induzem a dizer: essa banda é de hardcore! Seja qual estilo for, uma coisa é certa: a banda tem uma sonoridade que cativa e um vocalista que dá o sangue em cada letra entoada. E por falar nas letras, elas têm consistência, algumas em português outras em inglês e até uma em espanhol. Mas não se preocupe, todas têm tradução, ou seja, banda consciente de que a mensagem tem que chegar a todos os cantos. São 14 sons + um bônus de 7 músicas do EP Buy us some heroin.

Contatos:
www.myspace.com/bushklan
bushklan@gmail.com

Por Deise Santos

Mundo no Kaos – Será esse o fim?

outubro 1, 2008

Mundo no Kaos – Será esse o fim?
(Demo – CDR – 2007)

Primeiro registro da banda de punk rock e hardcore da Baixada Fluminense, Mundo no Kaos. As letras falam de um cotidiano envolto em problemas sociais, a insatisfação com as autoridades e políticos. A influência de bandas como Cólera, DZK e Lacrau são claras e podem ser reconhecidas em músicas como “Quem é o Verdadeiro Ladrão?”, “Atormentados pela Violência” e “Pela nossa liberdade”. Essa última uma ótima música para ouvir no último volume e, quem sabe, até pogar na sala da sua casa.
A qualidade de gravação não é 100%. O som da caixa da bateria está meio abafado em algumas músicas, mas neste registro, que tem 13 sons, o que importa é divulgar o som até que saia um álbum de verdade. Som para ouvir com os amigos, naquele clima de festa e confraternização que o bom e velho punk rock provoca.
Contatos:
www.myspace.com/bandamundonokaos
lui_punk77@hotmail.com
rafaelmundonokaos@hotmail.com

Por Deise Santos

D.E.R. – Quando a esperança desaba

outubro 1, 2008

D.E.R. – Quando a esperança desaba
(Pecúlio Discos/ Karasu Killer/ Cospe Fogo/ Fuck it all Recs – 2008 – CD)

Pois é. Demorou mas saiu. Tudo bem que a resenha vai sair com alguns meses de atraso, mas o CD também demorou a sair. E o resultado foi o esperado mais o plus de ter toda a rapidez e agressividade sonora que essa turma consegue produzir com notas musicais tocadas na velocidade da luz ou além dela, registradas numa bolachinha. Quem pensa que a esperança desaba e que não é possível pogar ao som do grindcore executado por esses caras sob o risco de embaralhar as pernas, está muito enganado. Em algumas faixas, como em “Lucro e troca” e “A vitória e o fim”, o dono das baquetas Barata, resolve dar uma trégua, mas não por muito tempo, pra que a gente respire, porque no geral as baquetas mais parecem asas de beija-flor que a gente nem consegue ver direito de tão rápidas que são. Poesia? Que nada! Eles cantam o pessimismo, a desesperança, o desespero e a realidade dolorida e incolor que tem em cada ferida aberta na sociedade, sem rodeios, virtuosismo ou meias-palavras. É grindcore, simples e reto. E por falar nisso, que tal ter 16 músicas em pouco mais de 14 minutos? Isso é D.E.R.. Pra completar, o álbum traz um videoclip de “Empregando o capital” e um material gráfico que, de cara, traduz o conteúdo do álbum, a esperança desabou e com direito à trilha sonora.

Contatos:
www.myspace.com/derpunk

Por Deise Santos

Imminent Chaos – Corrosion Of Human Essence

setembro 24, 2008

Imminent Chaos – Corrosion Of Human Essence
(Back Track Records-2006)

Se você gosta de hardcore e metal prepare-se pra ouvir um álbum devastadoPhotobucketr. O álbum abre com “Chasin’ the truth”, que já mostra qual é a pegada da banda: rapidez, peso e agressividade. E assim o álbum vai, passeando do hardcore ao metal, com faixas rápidas e outras mais arrastadas, mas todas devastadoras, como “Procedure of Hate” e “Ódio”, único som levado em português e que contou com a participação de Gepeto (Ação Direta). É tanta rapidez e peso que às vezes duvida-se que sejam só três integrantes nessa banda. O trio do ABC paulista investiu na gravação (estúdio Datribo) e na produção assinada por Ciero. Atenção especial ao material gráfico, em digipack luxo, que tem as assinaturas do baterista Batata na arte e de Marcelo Santos no projeto gráfico, de quebra você ainda fatura um adesivo. Baixar na internet pra quê?
Contatos:
Site

Por Deise Santos